domingo, 30 de setembro de 2012

COMPLICADO DEMAIS - Paula Fernandes

Te aceito assim, complicado demais
Também sou assim, complicada demais
E já faz tempo que o tempo parou
Não envelheço a espera do teu amor
...

Eu estarei aqui esperando você
Se redimindo do teu erro pra ver
Teus olhos rasos decidido a voltar
Sem ter ciúme vem pra mim vem me amar
...



TÔ COM SAUDADE - Paula Fernandes


Às vezes sou fada
Às vezes faísca
Tô ligada na tomada
Numa noite mal dormida...

Eu tô com saudades
Da nossa amizade
Do tempo em que a gente
Amava se ver
Eu não sou palavra
Eu não sou poema
Sou humana pequena
A se arrepender...

Às vezes sou dia
Às vezes sou nada
Hoje lágrima caída
Choro pela madrugada
Às vezes sou fada
Às vezes faísca
Tô ligada na tomada
Numa noite mal dormida...

Se o teu amor for frágil e não resistir
E essa mágoa então ficar eternamente aqui
Estou de volta a imensidão de um mar
Que é feito de silêncio
Se os teus olhos não refletem mais o nosso amor
E a saudade me seguir pra sempre aonde eu for
Fica claro que tentei lutar por esse sentimento...

Diga sim ouça, o som
Prove o sabor que tem o meu amor
Cola em mim a tua cor
Eu te quero sim, sem dor
Diga sim...

Às vezes sou dia
Às vezes sou nada
Hoje lágrima caída
Choro pela madrugada
Às vezes sou fada
Às vezes faísca
Tô ligada na tomada
Numa noite mal dormida...

Se o teu amor for frágil e não resistir
E essa mágoa então ficar eternamente aqui
Estou de volta a imensidão de um mar
Que é feito de silêncio
Se os teus olhos não refletem mais o nosso amor
E a saudade me seguir pra sempre aonde eu for
Fica claro que tentei lutar por esse sentimento...

Diga sim ouça, o som
Prove o sabor que tem o meu amor
Cola em mim a tua cor
Eu te quero sim, sem dor
Diga sim...

CUIDAR MAIS DE MIM E SENSAÇÕES - Paula Fernandes (Credicard Hall -SP 27/05/12)


CUIDAR MAIS DE MIM

Eu vim falar do que eu perdi 

Que eu já chorei, do que eu vivi 
Porque eu amei, me entreguei 
E quantas vezes eu sorri 
Eu vim contar pro seu coração 
Que eu já provei da desilusão 
De um amor 

Eu vim falar que eu também sofri 
E quantas vezes me desesperei 
Foi grande a dor que eu senti 
E desde então eu me toquei 
Que sem amor, sem ilusão 
A minha vida é em vão 
Isso é morrer 

Eu sei que parte do que eu passei 
Foi culpa minha porque eu deixei 
Que outro alguém me dominasse assim 
Sei que preciso cuidar mais de mim 

Tá complicado esquecer teu sorriso 
O sentimento, a paixão que ficou 
Serão pra sempre os mesmos encantos 
Mas no momento eu desejo outro amor 

Eu vim falar que eu também sofri 
E quantas vezes me desesperei 
Foi grande a dor que eu senti 
E desde então eu me toquei 
Que sem amor, sem ilusão 
A minha vida é em vão 
Isso é morrer 

Eu sei que parte do que eu passei 
Foi culpa minha porque eu deixei 
Que outro alguém me dominasse assim 
Sei que preciso cuidar mais de mim 

Tá complicado esquecer teu sorriso 
O sentimento, a paixão que ficou 
Serão pra sempre os mesmos encantos 
Mas no momento eu desejo outro amor (2x) 

Nesse momento eu desejo outro amor

SENSAÇÕES

Eu me perdi, perdi você 
Perdi a voz, o seu querer 
Agora sou somente um 
Longe de nós, um ser comum 

Agora eu sou um vento só, a escuridão 
Eu virei pó, fotografia, sou lembrança do passado 
Agora sou a prova viva de que nada nessa vida 
É pra sempre até que prove o contrário 

Estar assim, sentir assim 
Um turbilhão de sensações dentro de mim 
Eu amanheço, eu estremeço, eu enlouqueço 
Eu te cavalgo embaixo do cair 
Da chuva eu reconheço 

Estar assim, sentir assim 
Um turbilhão de sensações dentro de mim 
Eu me aqueço, eu endureço, eu me derreto 
Eu evaporo e caio em forma de chuva eu reconheço 
Eu me transformo


ALÉM DA VIDA - Paula Fernandes (letra e música)

Existe um força além da nossa compreensão ou razão
Que pulsa, que tem vida própria 
Que não tem como fugir...

Um amor verdadeiro, resiste a tudo e a todos!
Além desta vida finita.
Não adianta fugir.
É perda de tempo!
É sofrer desnecessariamente.
Roberta Carrilho




EU SEM VOCÊ - Paula Fernandes (Legenda)

Desse teu sorriso branco feito neve 
Eu tô carente desse olhar que mata 
Dessa boca quente, revirando tudo 
Tô com saudade dessa cara linda 
Me pedindo fica só mais um segundo

Sem você, a solidão me abraça 
Sem você, sou menos que a metade 
Sou incapacidade de viver por mim 

Eu sem você...


TERRA DE MINAS-BRASIL - PAULA FERNANDES


Eu nasci no celeiro da arte
No berço mineiro
Sou do campo, da serra
Onde impera o minério de ferro
Eu carrego comigo no sangue um dom verdadeiro
De cantar melodias de Minas
No Brasil inteiro

Sou das Minas de ouro

Das montanhas Gerais
Eu sou filha dos montes
E das estradas reais
Meu caminho primeiro
Vem brotar dessa fonte
Sou do seio de Minas
Nesse estado um diamante
'Seio de Minas" - Paula Fernandes
Sou filha de Minas 
Das Minas Gerais
Da Cidade Divina
Divina Divinópolis
Roberta Carrilho

AZULEJARIA DO MINEIRO E ARTISTA PLÁSTICO - Alexandre Mancini

Levantei cedo para assistir esta reportagem. 
Adoro isto!

Fantástico! Parabéns Alexandre Mancini.
Roberta Carrilho


sábado, 29 de setembro de 2012

COMO SATISFAZER UMA MULHER NA CAMA



"O mais importante, em se tratando de sexo, em relação à mulher é prepará-la. É muito difícil encontrar uma mulher que, de cara, você possa jogar na cama e em 10 minutos já estar transando com ela e ela estar gostando disso tanto quanto você, principalmente, se essa for a primeira vez que vão para cama.

Você terá primeiro que provocá-la, excitá-la. E isso começa no rala e rola quando vocês ainda estão vestidos. Abrace-a, puxe-a para bem perto de você, cole seu corpo no dela, suba as mãos pelas sua costas até a nuca, beije seu pescoço (sem deixar marcas), beije sua orelha suavemente deixando-a ouvir sua respiração (respire normalmente, nada artificial) mas beije só o lóbulo e somente com os lábios, muitas mulheres, por incrível que pareça, não gostam disso, principalmente se enfiarem a língua dentro da orelha dela.


Mas se ela gostar...


Comece a explorar seu corpo vagarosamente mas com firmeza (isso não significa força e sim com vontade). Comece a provocá-la, desça a mão por suas costas e toque suas nádegas e pernas, suba e passe por entre seus seios beijando-a ou simplesmente olhando para ela, passe a mão por entre suas coxas, enfim vá passeando por todo corpo durante algum tempo procurando não só provocá-la, mas também sentir e conhecer seu corpo, suas curvas, a textura da sua pele, tudo sem tocar nas zonas erógenas, ... ainda.


Isso é como um jogo, não se deve baixar as melhores cartas logo.


Conforme ela for cedendo, vá contornando e contornando seus seios até chegar nos mamilos, se ela ainda estiver com roupa, vire a mão e passe suavemente as costas dos dedos entreabertos ou as unhas, mas tem que ser com os quatro dedos para dar aquela trepidação, que é deliciosa, prenda o mamilo entre seus dedos e aperte suavemente. Só passe a unha (coçando) se ela estiver de sutiã ou blusa, se não nem pensar. Brinque assim por algum tempo, sempre com carinho e sem pressa, a menos que ela também esteja em ponto de bala, o que, volto a dizer, acontece raramente. (Detalhe: isso não quer dizer que a mulher nunca tem urgência, mas pense bem, se você já pegou uma mulher em ponto de bala, antes mesmo de tirarem a roupa, é porque há muito já vinha criando uma tensão mesmo que não intencional, ou seja, de um modo ou de outro, excitando-a e provocando-a, e isso às vezes surte efeito em nós assim como em vocês).


Continuando, se a posição em que você estiver permitir, toque os dois seios ao mesmo tempo, não tem problema se não der, não precisa fazer contorcionismo ou equlibrismo, então desça do seios "ground" por sua barriga e quadril e passe a mão na parte interna da coxa, sempre suavemente. Se ainda não estiverem deitados essa é uma boa hora, pois se ela estiver nervosa suas pernas vão começar a tremer (Aí, garanhão!). Comece a fazer movimentos circulares e vá se aproximando vagarosa e perigosamente da virilha, esse suspense mata. Quando ela já estiver bem ansiosa, beije-a com carinho e meta a mão por entre suas pernas fazendo uma leve pressão (se ela ainda estiver de roupa).

Continue, beijando-a, beijando seu corpo, deixe-a fazer o que quiser, se ainda estiverem vestidos comece a tirar a roupa dela e se ela não tirar a sua tire você mesmo, pois é um pouco desagradável ficar só ela nua e você todo vestido. Vá sempre devagar, beijando-a, ... não pare tudo e tire toda sua roupa, que além de interromper algo que estava muito bom, se ela for tímida, vai ficar constrangida.


A maioria das mulheres são tímidas, no que diz respeito a seus corpos. Mesmo que você tenha a mulher a mais maravilhosa do mundo na cama com você, ela irá se preocupar com o que você acha do corpo dela. Diga-lhe que é bonito, diga-lhe que partes você gosta mais (de verdade), mesmo enquanto ainda estiverem tirando as roupas.


Toque-a agora nua, você pode seguir o mesmo "roteiro" que fez com roupa, só que desta vez, com ela nua, você vai ter o prazer de sentir toda extensão de sua pele e curvas, na íntegra, sem nada entre sua pele e a dela. Toque-a sempre com o mesmo objetivo, provocá-la, só não se esqueça de não usar as unhas nos mamilos, use os dedos, ou ainda, a palma da mão esticada (fazendo movimentos circulares), os lábios, a língua. Continue passeando pelo seu corpo. Quando for acariciando sua coxa, faça o jogo de aproximação perigosa, não deslize a mão diretamente para entre suas pernas, vá devagar, indo e voltando um pouquinho, chegando cada vez mais perto, voltando, chegando mais perto ainda, voltando, em movimentos circulares, até chegar lá.


Chegando lá - o lá, é lá mesmo, na fenda, pois o lado de fora dos grandes lábios e a púbis (triângulo) ainda fazem parte do percurso e da aproximação perigosa - bom, chegando lá, o primeiro lugar que irá tocar é a entrada da vagina, por um simples motivo, você tem que verificar se ela está molhada, você não pode tocá-la se estiver seca. A maioria das mulheres quando excitadas, produzem um suco que serve para lubrificar a área genital por outro simples motivo, para não haver atrito, pois é desagradável. Essa região é muito sensível ao toque e para que ele ocorra sem atritos, a vagina libera um líquido que lubrifica a região, tornando o toque escorregadio.


OBS.: Mas se ela não estiver molhada, não significa que ela não está excitada. Algumas mulheres produzem pouco suco, você pode então lamber os dedos e usar sua saliva para tornar o toque escorregadio, ou usar produtos como o KY (lubrificante à base de água). Quanto a saber se ela está excitada ou não, há outros indícios como mamilos endurecidos, respiração rápida/ofegante, vermelhidão no rosto, torso .. mas se quiser ter certeza, basta olhar nos olhos dela e ter um mínimo de sensibilidade, nenhuma mulher consegue fingir se encarada de frente.


Continuando, é muito importante que seus dedos estejam lubrificados ao tocar a área, portanto, trate de lambê-lo ou umedecê-lo com o suco que sai da entrada da vagina, ou ainda usar o KY, pois a sensação de atrito é ruim e irritante. E por essa mesma razão, sempre que você tocar uma mulher deve começar a fazê-lo suavemente e esteja certo, por todos os meios, de que seus dedos estarão umedecidos antes de você tocar em seu clitóris, porque dele não sai líquido algum e é extremamente sensível, mais que a cabeça de seu pênis. Toque-a carinhosa, suave e vagarosamente, não faça movimentos rápidos a menos que ela lhe peça por palavras ou te conduzindo. Seu objetivo é chegar ao sexo oral e você já está quase lá.


Como já disse a maioria das mulheres são tímidas sobre seus corpos, mais ainda no que diz respeito ao seu órgão genital, portanto, diga-lhe que é bonito, elogie mas não exagere ou comece a declamar, diga coisas simples como parecer uma flor ou mais abstratas tipo o quanto é suave, etc, diga-lhe qualquer coisa, mas faça ela confiar em você o bastante para deixá-lo descer até entre suas pernas. Agora pare, e olhe o que você vê. Bonito, não é?


A "área" se chama vulva - composta de grandes lábios (pele normal com pêlos) pequenos lábios (pele rosada ou vermelha como a cabeça do seu pênis, alguns são multicolor, roxinhos com a beirada acizentada, outros mais compridinhos e têm até babadinhos), entrada da vagina (sem comentários) acima dela o orifício urinário e acima dele, acima da junção dos pequenos lábios está ... a pérola, ... o clitóris ou pelo menos a terminação dele (procure num livro de biologia ou na Internet).


Não há nada que faça uma mulher mais única e original do que sua genitália. Você nunca irá encontrar uma igual a outra. Vêm em todos os tamanhos, cores e formas diferentes; algumas são dobradas para dentro como de bebês e outras têm lascivos lábios grossos que aparecem para cumprimentá-lo. Algumas estão aninhados em uma escova de pêlos, outras são cobertas com uma pequena camada de pêlos claros, quase transparente, e outras, depiladas em parte ou em todo mostrando a pele. Aprecie as qualidades originais da sua mulher e diga-lhe o que a faz especial. As mulheres são bem mais verbais e auditivas (gostam de falar e ouvir) do que os homens, especialmente durante o sexo. Respondem também mais ao amor verbal que os homens, o que significa que quanto mais você falar com ela, mais fácil será conquistá-la. Assim, enquanto a estiver tocando fale com ela, converse com ela sobre o que lhe agrada mais, afinal de contas você estará testando para saber do que ela gosta.



Agora olhe outra vez.

Separe delicadamente (com o polegar) os grandes lábios e olhe seus pequenos lábios (lábios internos). Olhe para eles e siga o olhar para cima até que você possa encontrar a junção deles, logo acima dessa junção estará o clitóris, o ponto sexual mais sensível do corpo de uma mulher.



As mulheres têm clitóris de todos os tamanhos diferentes, possíveis e imagináveis, assim como vocês têm pênis de tamanhos e formas diferentes. Mas isso não significa nada em relação à capacidade de ter orgasmos. Tudo que significa, é que dela é mais escondido debaixo da pele. E isso não é sem razão, o clitóris tem o mesmo número de terminações nervosas da cabeça do pênis, tudo concentrado nesse ponto que às vezes tem o tamanho de uma pérola, se não houvesse uma pele por cima protegendo-o o toque teria de ser extremamente cuidadoso ou causaria dor.


Prepare-se então para começar a mais memorável carícia que uma mulher pode receber, o sexo oral. A melhor posição é ela deitada de costas (barriga para cima) e você entre as pernas dela. Dessa forma você tem visão total do corpo dela, do rosto, e fica com as mãos e braços livres para acariciar suas coxas, nádegas, barriga e seios, e até mesmo para dar a mão para ela se ela ficar muito nervosa.


Existem quatro coisas que você não pode esquecer:

1 - Mantenha sua língua sempre umedecida para ela deslizar e não entrar em atrito.
2- Mantenha sua língua mais relaxada, maleável, não a endureça, ela terá que se moldar às formas da sua mulher. Se quiser fazer ponta (na língua) estique-a (colocando para fora) não a endureça.
3- Cuidado com os dentes
4- Cuidado com a barba. Se estiver aquela barba por fazer então, faça, pois imagine essa lixa na cabeça do seu pênis, pois é, as mulheres são mais sensíveis ainda.

Mas, você ainda não vai tocar em seu clitóris, ... ainda.


Você tem que trabalhar até chegar a ele. Faça a mesma aproximação lenta e torturante que fez com as mãos. Mulheres, mais do que homens, AMAM essa tortura do quase toque. Ameaçar tocar e voltar afastando um pouquinho.


Faça-a passar momentos de suspense em dois pontos, primeiro passeando perigosamente pela coxa, antes de chegar na área genital (fase pela qual já passamos com as mão e refaremos com a boca) e o segundo ponto, já dentro da área genital, passeando perigosamente pela vulva, antes de chegar ao clitóris. No primeiro, beije sua virilha, sua coxa interna, sua barriga, seu umbigo, vá rondando e se aproximando perigosamente da vulva e volte um pouquinho, ... até finalmente tocar a área genital.


Nota importante: Novamente o lance da aproximação perigosa, e do quase toque. Isso é muito importante pois nos faz antecipar o que será quando você chegar lá, gerando uma certa urgência do toque, que finalmente deixa a mulher em ponto de bala. Quando eu digo se aproxime e volte não é para voltar para longe da área pois ao invés de criar suspense, gerará frustração. Exemplo: Comece a beijar sua coxa, passe pela virilha e quase toque os grandes lábios, aí volte, ... mas não para a coxa (muito longe) e sim para a virilha. Entendeu?


Ao chegar na área genital, passe a língua longa e lentamente por toda sua extensão começando pela base da vagina, mas por cima, sem enfiar a língua por dentro, e inicie o segundo momento de suspense. Vá então, lambendo toda área, beije, faça-o círculos com a língua, coitos com a ponta de sua língua sempre com suavidade. Meta a cara entre suas pernas e vá lambendo sem fazer pressão forte para deixá-la louca de vontade de sentir sua língua direto lá. Faça-a antecipá-lo. Faça saber que ao final daquele movimento você vai chegar lá, pois até agora você ainda está só por cima da vulva.


Depois que você a colocar num ponto em que vai estar se mexendo e se esticando para ter sua língua um pouco mais perto de onde ela quer (dentro dos grandes lábios) satisfaça esse primeiro desejo, coloque a boca, ou melhor, os lábios bem no topo da fenda, na parte de cima da área genital, e meta a língua por entre essa fenda abrindo-a delicadamente. Beije-a, delicadamente. Agora use sua língua para separar seus os grandes lábios (se já não estiverem abertos, claro) que se grudam aos pequenos lábios e fecham ao incharem pela excitação, e depois os pequenos lábios (idem/idem), movimente sua língua para cima e para baixo entre as camadas. A parte interna dos lábios é bem macia, você vai gostar. Procure não tocar o clitóris ainda, chegue perigosamente perto dele, e aí flutue afastando. Fique passando a língua, sempre umedecida, pela fenda entre os grandes e os pequenos lábios, mas sem tocar o clitóris diretamente. Se ela ainda estiver com as pernas semi abertas, dobre-as e abra-as delicadamente com suas mãos, sem parar.


Tudo que você faz com uma mulher que você está a ponto de comer deve ser feito delicadamente. Então, comece a lamber a entrada da vagina, penetre um pouquinho a vagina com sua língua, mesmo que ela seja virgem sua língua pode passear pela entrada. Isto é divino e vai deixá-la louca porque agora ela vai querer desesperadamente que você dê alguma atenção a seu clitóris. Só para fazê-la quase implorar, passe a ponta de sua língua pelos lados do clitóris (se não puder localizá-lo, trace um faixa imaginária de 1 cm bem no meio e passeie pela sua beirada, assim não atingirá o clitóris, só a área lateral).

Preste atenção! Assim como seu pênis, toda a área genital aumenta de volume, e assim como o pênis, o clitóris fica rígido e salta um pouco para fora junto com a pele que o cobre. Se conseguir visualizá-lo, passe a língua para sentí-lo. Mas, mesmo se você não puder vê-lo, ele estará lá esperando por você, você irá sentí-lo debaixo da pele ao lamber. Ele será o ponto entumecido, endurecido, logo acima de onde o pequeno lábio direito se encontra com o pequeno lábio esquerdo. Mas se mesmo assim você não puder sentir essa pérola minúscula, você pode lamber a pele que fica nesse lugar, que o estará atingindo.


Comece então a beijar diretamente o clitóris, o primeiro toque deve ser suave e delicado quase não o tocando (cuidado com os dentes), depois comece a lambê-lo lentamente e ao localizá-lo efetivamente, dedique-se a ele, vá lambendo-o devagar usando a cada vez um pouco mais de força e pressão. Afaste delicadamente as bordas dos grandes lábios expondo ainda mais o clitóris e aumente em muito pouco a velocidade friccionando sua língua de encontro a ele, coberto ou não. Comece então a dar mais rapidez e pressão ao seus movimentos, mas observe-a, muitas mulheres só gostam do movimento rápido quando estão prestes a gozar, e ainda há as que preferem sempre devagar ou sempre rápido. 


A grande excitação que sente, deve fazer com que com que ela instintivamente feche as pernas. Segure-as, pois a um certo ponto, ela vai começar a se mexer anunciado a aproximação de seu orgasmo - a maioria das mulheres jogam o quadril para frente e para cima quando estão gozando - quando você sentir que ela está prestes a gozar, faça um O com seus lábios e coloque o clitóris em sua boca (cuidado com os dentes) e comece a chupar levemente passando a língua. Comece sugar delicadamente e prestar atenção ao rosto dela para ver sua reação. Se ela puder aguentar vá vagarosamente aumentando a pressão chupando mais forte e movimentando mais rápido a língua. Se a ela tentar fugir sugue mais forte ainda, obviamente guardadas as devidas proporções, não vire um desentupidor de pia.


Ao ter um orgasmo, a vagina da mulher se contrai involuntariamente, numa reação a ele, assim como você ejacula. O único meio de fazer uma comparação que você possa realizar é a do esfíncter anal, sim, contraia seu ânus, como se fosse fechá-lo, é mais ou menos assim, a diferença é que ao contrair o seu ânus só o esfíncter é contraído, 1 segundo após o orgasmo a vagina inteira sofre uma série de contrações involuntárias com intervalos de menos de 1 segundo inicialmente, e isso posso lhe garantir que é impossível fazer voluntariamente, não com essa rapidez, portanto, fingir orgasmo, só para quem não tem esse conhecimento. Outra reação ao orgasmo é o aumento do líquido que lubrifica a vagina, mas às vezes esse aumento não é substancial.


Quando ela estiver gozando, vá com ela. Se ela levantar o quadril no ar com a tensão de seu orgasmo (95% das mulheres fazem isso), mova-se com ela, não a impeça de se movimentar, acompanhe o movimento. Mantenha sua boca quente em seu clitóris. Não a deixe ir. Se ela começar a gemer e gritar: ' Não pare! ' Há uma razão para isso, é que a maioria dos homens para logo depois que a mulher tem o primeiro orgasmo e algumas mulheres podem ter 2, 3, 4, ... orgasmos, seguidos ou com alguns segundos ou minutos de intervalo.


Depois disso meu amigo, ela está em suas mãos. Muitas mulheres tem apenas 1, mas forte, orgasmo. Se esse for o caso da sua, deixe-a descansar por alguns minutos e então recomece a tocá-la. Mas, eu acredito que toda mulher é capaz de ter vários orgasmos e que, em um deles, você pode ter a satisfação de a estar penetrando e sentir suas contrações vaginais por toda extensão de seu pênis.


Há uma outra coisa que você pode fazer para intensificar o prazer dela, mas sempre verificando se isso a agrada. Você pode penetrar sua vagina com o dedo, antes, durante ou em seguida ao orgasmo. Recomendo em seguida ao primeiro que é algo para provocar o segundo. Pois, além das zonas erógenas que cercam seu clitóris, a mulher tem uma outra área extremamente sensível no teto ao meio de seu canal vaginal (ela deitada de barriga para cima). Este é o ponto que você fricciona quando está transando. Também conhecido como Ponto G.


Quantos dedos? Comece com 1. Mas ficar só 1 é muito estreito, e três já fica largo e não pode consequentemente penetrar o bastante. Portanto siga a lei do 1 é pouco, 2 é bom e 3 é demais, e fique com dois dedos.


Certifique-se que estão molhados. Deslize-os para dentro, lentamente no início, massageando o "teto" da vagina em micro círculos até penetrar todo o(s) dedo(s) e então vá e volte assim, em pequenos movimentos circulares, ficando um pouco mais rápido depois. Sempre com movimentos rítmicos, não esqueça que você ainda está fazendo o oral.


Aumente a velocidade somente quando ela pedir o que poderá ser por palavras, ou gemidos. Escute sua respiração. Ela o dirá o que fazer.


Se você estiver sugando seu clitóris e penetrando com os dedos ao mesmo tempo, você está dando-lhe muito mais estimulação do que estaria dando com seu pênis sozinho. Imagine se ainda der para tocar seus seios (Ai, ai ...). Você pode ter certeza de que ela estará nas nuvens. Se houver alguma dúvida, verifique os sintomas.


Cada mulher é única.


Você pode ter uma cujos mamilos ficam duros quando está excitada ou somente quando está tendo um orgasmo. Sua mulher pode ficar vermelha, rosada ou começar a tremer. Conheça os sintomas pessoais da sua mulher, e você será um amante mais sensível e experiente.


Quando ela começar a ter um outro orgasmo, pelo amor de Deus não se afaste desse clitóris. Mantenha-se lá firme e forte enquanto durar, seja lá quantos forem. Quando começar a vir o orgasmo, pressione sua língua na parte de baixo do clitóris, deixando seus lábios cobrirem o alto (cuidado com os dentes de novo). Mova sua língua dentro e fora de sua boca até onde alcançar, sem deixar de tocar o clitóris. Se seus dedos estiverem dentro, mova-os também, mas delicadamente, as coisas estão extremamente sensíveis agora. Se você jogar as cartas certas, você conseguirá alguns orgasmos múltiplos. Mulheres podem permanecer excitadas por mais uma hora depois de terem um orgasmo.


E aí é festa, depois que ela gozar 1 ou + vezes, então será sua vez, ela está entregue, faça o que quiser. Só uma coisinha, o objetivo aqui é o sexo oral, principalmente fazê-la gozar muito e de quebra se apaixonar por você. Alguma mulheres ficam exaustas principalmente se tiverem uma série de orgasmos seguidos, por isso se você não esteve dentro em algum deles, você terá que esperar uma próxima sessão, que pode ser extra (Uau!). Mas, se ficar para outro dia, não fique triste que isso conta pontos e na próxima você já saberá quando participar.


O último conselho que eu tenho para você é: Depois que você a fez gozar até não aguentar coloque-a em seus braços e lhe dê a melhor acolhida possível, não a deixe sozinha neste momento. Converse com ela, afague seus cabelos, abrace seu corpo, faça carícias suaves em seus seios. Mantenha-a aninhada em seus braços e corpo, calmamente, até ela relaxar por completo.








Um homem, ao terminar, pode simplesmente ir dormir na mesma hora sem sentir nenhum remorso e nenhum sentido de perda. Mas uma mulher por natureza, requer alguma sensibilidade de seu amante naqueles primeiros poucos minutos após o sexo.

O sexo oral pode ser a experiência mais emocionante e excitante que você pode proporcionar. Será o que você quiser que seja. Tome seu tempo, pratique freqüentemente, preste atenção aos sinais de sua amante, e sobretudo, aprecie.


Boa transa!


CARÍCIAS:
Não faça tudo no mesmo dia toque-a cada dia de um jeito, assim você pode variar e também ver o que ela gosta mais.

· Mulheres adoram mãos bobas, mas entre quatro paredes, nada de show;


· Abrace-a por trás ou sente-a no seu colo, e terá muito por onde passear com as mãos, principalmente se ela sentar de costas para você;


· Prenda ela na parede com seu corpo e meta sua perna por entre as pernas dela e a pressione contra parede (da casa, nada de show), além do frenesi que dá ficar "presa" é muito bom sentir um corpo colado no seu sem o peso, não que o peso seja ruim, é porque assim a gente pode se movimentar mais;


· Muitas mulheres adoram que deem alguma atenção ao seu ânus, toque-o, passe a língua, introduza o dedo, ... mas preste bem atenção na reação dela, pois muitas se retraem totalmente, achando que você quer fazer sexo anal Nos mamilos e clitóris Essas já são as carícias diretas, para quando já estiver lá, não se esqueça da preparação e aproximação antes;







· Gire-o(s) (mamilo ou clitóris) com o polegar, enquanto toma todo o seio com a mão, se os mamilos é claro;


· Passe as costas dos dedos para cima e para baixo bem devagar, na velocidade inicial de um fio de cabelo caindo. Se ainda estiver vestida pode fazer a mesma coisa com as unhas dos quatro dedos, coçando;


· Com o indicador e o polegar belisque com suavidade e sem força, melhor usar as laterais dos dedos como se estivesse segurando um leque pois, se fizer com as pontas, pode acabar beliscando com a unha;


· Beije como se estivesse beijando sua boca e como se o mamilo ou clitóris fosse a língua dela, suavemente;











· Morda-o(s) suavemente só com os lábios ou, com os lábios sobre os dentes (jamais com os dentes, a menos que ela peça com todas as letras);


· Faça movimentos giratórios com a pontinha da língua rodeando-o(s) pela laterais;


· Friccione a língua para cima e para baixo rapidamente, o mais rápido que puder tocando inicialmente o mínimo possível;


· Pode-se fazer o mesmo movimento acima, com a ponta do polegar ou do indicador se não tiver unha;


· Se forem tomar banho juntos direcione a ducha do chuveirinho do box, bidê, ou banheira (aquele pequenininho e manual) diretamente sobre o mamilo ou clitóris, em movimentos giratórios ou vai e vem curtinhos, é delirante;


· Esta é só para os mamilos: Abra bem sua mão esticando a palma ao máximo, então comece a roçar a palma no mamilo circularmente, você vai sentir uma cosquinhas na palma da mão (e ela entre as pernas), depois vire a mão, sempre sem deixar de tocar seu seio, e fique passando as costas dos quatro dedos, vire a mão de novo e tome seu seio começando pela base e vá fechando ao final no mamilo, rodeie-o com o dedão, depois rode-o e por fim aperte-o suavemente. Se estiverem só curtindo faça tudo de novo no outro seio. Parece até uma coreografia, não é? E dá um Than! No outro dia você pode sentar atrás dela e fazer isso com as duas mãos.


IMPORTANTE: Algumas mulheres no período pré-menstrual ficam com os seios inchados, e às vezes doloridos e extremamente sensíveis, neste caso o toque é muito incômodo pois obviamente dói, por isso, se ela reclamar ou disser que estão doloridos, nem chegue perto deles.


Cuidados a serem tomados Nada de mais, coisas que deveriam ser feitas todos os dias.


1- Limpeza: Tome um banho (e lave o cabelo também) antes de sair com ela, sexo faz a gente suar muito e suor potencializa odores, e assim como seu cheiro natural é um grande afrodisíaco, seu mal cheiro natural é um grande broxante;


2- Limpe seu pênis, não há nada pior que aquela sujeirinha branca, basta lavá-lo normalmente e ao final verificar se não ficou nada;


3- Limpe também suas unhas, é meio assustador ser penetrada por dedos cujas unhas estão pretas, e se estiverem compridas corte-as e lixe-as;


4- Lave o nariz (sem melecas haha!), e limpe o ouvido;


5- Não se esqueça de colocar desodorante, e talco para chulé;


6- Faça a barba (se estiver por fazer) para não arranhá-la (mas m muitas mulheres que sentem atração por homens com barba cerrada, então vai com jeitinho, suavidade, sem irritar a pele delas);


7- Vista uma roupa limpa, principalmente a cueca, sem furos, nada de zorba, use samba-canção ou aquela tipo box ou shortinho;


8- Não se esqueça de quando for tirar a roupa tirar também o relógio e DESLIGAR O CELULAR;


9- Pelo amor de Deus, se for dizer a ela para gozar, não diga "Goza pra mim ver" você não é índio, e isso é motivo de piada entre mulheres (conversa de banheiro feminino) diga simplesmente "Goza" ou se preferir "Goza para EU ver". Usar mim no lugar de eu, primeira pessoa, é um erro de português muito comum, um truquezinho é toda vez que for falar diga "preu" "preu ver", "preu fazer" que já é aceito como linguajar popular, e você não será manchete das portas dos banheiros.


É isso, no mais, siga o ditado "É conversando que a gente se entende", converse com ela, procure saber o que ela gosta, desgosta, tem medo, gostaria de tentar, você pode ter boas surpresas."


autoria desconhecida - infelizmente!

Concordo com as palavras da Keila. Falar sobre sexo ou temas relacionados com ele é natural para mim, por isto resolvi postar este recado para alertar as pessoas 'pseudo-moralistas' que eu não penso diferente da Keila Sacavem. "Falar em sexo não me transforma em uma pessoa imoral, muito menos vulgar, falar em sexo não me titula como mulher fácil ou oferecida.
IMORAL é evitar falar de sexo pra se fazer de santa e, para atender uma demanda social ultrapassada, imoral é praticar coisas erradas às escondidas e, depois criticar pessoas que não fazem nem a metade de suas praticas "imorais".  
VULGAR é deixar de falar num assunto necessário e esclarecedor, para falar mal da vida alheia, vulgar é desejar a ruína dos bem sucedidos, vulgar é descontar nas pessoas suas frustrações e, é culpar o mundo por seus fracassos.
É FÁCIL SER HIPÓCRITA, difícil é ter coragem para expressar o que realmente sente, é fácil se esconder atrás de bons costumes, DIFÍCIL É SER TRANSPARENTE, é fácil se fazer de santo, difícil é ter originalidade para assumir quem realmente é. 
Lamento pelos que torcem o nariz todas às vezes que ouvem ou, que leem a palavra SEXO, lamento aos que fingem-se escandalizados, esses, eu apenas lamento, porque são rótulos de sua própria mediocridade. 
Aplausos aos que têm uma mentalidade óbvia e realista, aplausos aos que vivem no século XXI com a mentalidade do século "XXII", porque esses não precisam provar hipocrisia e nem falso moralismo à ninguém, porque esses, são bem resolvidos e destemidos em todos os âmbitos de sua vida, esses enfrentam os olhares do mundo com coragem". 












O ESPELHO DE MAHATMA GANDHI





Perguntaram a Mahatma Gandhi quais são os fatores que destroem os seres humanos. Ele respondeu: a Política, sem princípios; o Prazer, sem compromisso; a Riqueza, sem trabalho;  a Sabedoria, sem caráter; os Negócios, sem moral;  a Ciência, sem humanidade; a Oração, sem caridade."

E continuou: 

"A vida me ensinou: que as pessoas são amigáveis​​, se eu sou amável;  que as pessoas são tristes, se estou triste; que todos me querem, se eu os quero; que todos são ruins, se eu os odeio; que há rostos sorridentes, se eu lhes sorrio; que há faces amargas, se eu sou amargo; que o mundo está feliz, se eu estou feliz; que as pessoas ficam com raiva quando eu estou com raiva; que as pessoas são gratas, se eu sou grato.

A vida é como um espelho: se você sorri para o espelho, ele sorri de volta. A atitude que eu tome perante a vida é a mesma que a vida vai tomar perante mim. 

Mahatma Gandhi



A grande transição da ERA DE “PROVA E EXPIAÇÃO” para “ERA DE RENOVAÇÃO” - Joanna de Ângelis e Allan Kardec



Opera-se, na Terra, neste largo período, a grande transição anunciada pelas Escrituras e confirmada pelo Espiritismo.

O planeta sofrido experimenta convulsões especiais, tanto na sua estrutura física e atmosférica, ajustando as suas diversas camadas tectônicas, quanto na sua constituição moral. Isto porque, os espíritos que o habitam, ainda caminhando em faixas de inferioridade, estão sendo substituídos por outros mais elevados que o impulsionarão pelas trilhas do progresso moral, dando lugar a uma era nova de paz e de felicidade.

Os espíritos renitentes na perversidade, nos desmandos, na sensualidade e vileza, estão sendo recambiados lentamente para mundos inferiores onde enfrentarão as conseqüências dos seus atos ignóbeis, assim renovando-se e predispondo se ao retorno planetário, quando recuperados e decididos ao cumprimento das leis de amor.

Por outro lado, aqueles que permaneceram nas regiões inferiores estão sendo trazidos à reencarnação, de modo a desfrutarem da oportunidade de trabalho e de aprendizado, modificando os hábitos infelizes a que se têm submetido, podendo avançar sob a governança de Deus.

Caso se oponham às exigências da evolução, também sofrerão um tipo de expurgo temporário para regiões primárias entre as raças atrasadas, tendo o ensejo de serem úteis e de sofrer os efeitos danosos da sua rebeldia.

Concomitantemente, espíritos nobres que conseguiram superar os impedimentos que os retinham na retaguarda, estarão chegando, a fim de promoverem o bem e alargarem os horizontes da felicidade humana, trabalhando infatigavelmente na reconstrução da sociedade, então fiel aos desíginios divinos.

Da mesma forma, missionários do amor e da caridade, procedentes de outras Esferas estarão revestindo-se da indumentária carnal para tornar essa fase de luta iluminativa mais amena, proporcionando condições dignificantes que estimulem ao avanço e à felicidade.

Não serão apenas os cataclismos físicos que sacudirão o planeta, como resultado da lei de destruição, geradora desses fenômenos, como ocorre com o outono que derruba a folhagem das árvores, a fim de que possam enfrentar a invernia rigorosa, renascendo exuberantes com a chegada da primavera, mas também os de natureza moral, social e humana que assinalarão os dias tormentosos, que já se vivem.

Os combates apresentam-se individuais e coletivos, ameaçando de destruição a vida com hecatombes inimagináveis.

A loucura, decorrente do materialismo dos indivíduos, atira-os no abismos da violência e da sensatez, ampliando o campo do desespero que se alarga em todas as direções.

Esfacelam-se os lares, desorganizam-se os relacionamentos afetivos, desestruturam-se as instituições, as oficinas de trabalho convertem-se em áreas de competição desleal, as ruas do mundo transformam-se em campos de lutas perversas, levando de roldão os sentimentos de solidariedade e de respeito, de amor e de caridade...

A turbulência vence a paz, o conflito domina o amor, a luta desigual substitui a fraternidade.

Mas essas ocorrências são apenas o começo da grande transição.

A fatalidade da existência humana é a conquista do amor que proporciona plenitude. Há, em toda a parte, uma destinação inevitável, que expressa a ordem universal e a presença de uma Consciência Cósmica atuante.

A rebeldia que predomina no comportamento humano elegeu a violência como instrumento para conseguir o prazer que lhe não chega de maneira espontânea, gerando lamentáveis consequências, que se avolumam em desaires contínuos.

É inevitável a colheita da sementeira por aqueles que a fez, tornando-se rico de grãos abençoados ou de espículos venenosos.

Como as leis da vida não podem ser derrogadas, toda objeção que lhes faz converte-se em aflição, impedindo a conquista do bem-estar.

Da mesma forma, como o progresso é inevitável, o que não seja conquistado através do dever, selo-á pelos impositivos estruturais de que o mesmo se constitui.

A melhor maneira, portanto, de compartilhar conscientemente da grande transição é através da consciência de responsabilidade pessoal, realizando as mudanças íntimas que se tornem próprias para a harmonia do conjunto.

Nenhuma conquista exterior será lograda se não proceder das paisagens íntimas, nas quais estão instalados os hábitos. Esses, de natureza perniciosa, devem ser substituídos por aqueles que são saudáveis, portanto, propiciatórios de bem-estar e de harmonia emocional.

Na mente está a chave para que seja operada a grande mudança. Quando se tem domínio sobre ela, os pensamentos podem ser canalizados em sentido edificante, dando lugar a palavras corretas e a atos dignos.

O indivíduo, que se renova moralmente, contribui de forma segura para as alterações que se vêm operando no planeta.

Não é necessário que o turbilhão dos sofrimentos gerais o sensibilize, a fim de que possa contribuir eficazmente com os espíritos que operam em favor da grande transição.

Dispondo das ferramentas morais do enobrecimento, torna-se cooperador eficiente, em razão de trabalhar junto ao seu próximo pela mudança de convicção em torno dos objetivos existenciais, ao tempo em que se transforma num exemplo de alegria e de felicidade para todos.

O bem fascina todos aqueles que o observam e atrai quantos se encontram distantes da sua ação, o mesmo ocorrendo com a alegria e a saúde.

São eles que proporcionam o maior contágio de que se tem notícia e não as manifestações aberrantes e afligentes que parecem arrastar as multidões. Como escasseiam os exemplos de júbilo, multiplicam-se os de desespero, logo ultrapassados pelos programas de sensibilização emocional para a plenitude.

A grande transição prossegue, e porque se faz necessária, a única alternativa é examinar-lhe a maneira de como se apresenta e cooperar para que as sombras que se adensam no mundo sejam diminuídas pelo Sol da imortalidade.

Nenhum receio deve ser cultivado, porque, mesmo que ocorra a morte, esse fenômeno natural é veículo da vida que se manifestará em outra dimensão.

A vida sempre responde conforme as indagações morais que lhe são dirigidas. As aguardadas mudanças que se vêm operando trazem uma ainda não valorizada contribuição, que é a erradicação do sofrimento das paisagens espirituais da Terra.

Enquanto viceje o mal, no mundo, o ser humano torna-se-lhe vítima preferida, em face do egoísmo em que se estorcega, apenas por eleição espiritual.

A dor momentânea que o fere, convida-o por outro lado, à observância das necessidades de seguir a correnteza do amor no rumo do oceano da paz.

Logo passado o período de aflição, chegará o da harmonia.

Até lá, que todos os investimentos sejam de bondade e de ternura, de abnegação e de irrestrita confiança em Deus.

Joanna de Ângelis
(Mensagem psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, no dia 30 de Julho de 2006, no Rio de Janeiro, RJ. Publicada na revista ‘Presença Espírita’, Setembro/Outubro 2006, Nº 256, páginas 28 e 29)
COMPLEMENTO:

Por Francisco de Assis Daher Pirola

A transição ora vivida pela Terra, que está passando de "mundo de expiação e provas" para "mundo de regeneração", perdura na pauta de temas fervilhantes e continua provocando o interesse de adeptos das mais diversas vertentes do pensamento religioso, principalmente os espiritistas. E os últimos acontecimentos, como desastres ecológicos, catástrofes, e outros que alcançam coletividades inteiras, com grande número de desencarnes, têm fomentado esse interesse.

Mas é preciso que se diga que tais acontecimentos, naturalmente associados à transição em curso, ocorre, segundo a Doutrina Espírita, porque os mundos também precisam evoluir, capacitando-se a receber as humanidades que também se renovam na sua caminhada evolutiva.

As transformações que esta geração assiste, portanto, fazem parte desse processo, que elevará a Terra a um grau superior no concerto dos mundos, daí resultando melhor ambiente físico, moral e espiritual, para que nela possa habitar essa humanidade renovada.

O assunto é empolgante. Temos, na atualidade, a importante mensagem contida na obra "Transição Planetária", de autoria do Espírito Manoel Philomeno de Miranda, pela psicografia de Divaldo Pereira Franco (Livraria Espírita Alvorada Editora - Salvador - BA). Há, igualmente, a teoria das crianças índigo e cristal, suscitada também por Divaldo Franco, em conferência com importantes revelações, disponível no YouTube.

Tanto um quanto o outro, são fontes que enriquecem muito essa temática. Mas, importa-nos hoje, destacar o texto "A Geração Nova", de autoria de Allan Kardec, que transcrevemos a seguir, constante da sua grande obra "A Gênese", texto esse que traz subsídios relevantes para o bom entendimento do assunto. Portanto, um bom estudo e muita Paz! 

A GERAÇÃO NOVA Por Allan Kardec

"Para que na Terra sejam felizes os homens, preciso é que somente a povoem Espíritos bons, encarnados e desencarnados, que somente ao bem se dediquem. Havendo chegado o tempo, grande emigração se verifica dos que a habitam: a dos que praticam o mal pelo mal, ainda não tocados pelo sentimento do bem, os quais, já não sendo dignos do planeta transformado, serão excluídos, porque, senão, lhe ocasionariam de novo perturbação e confusão e constituiriam obstáculo ao progresso. Irão expiar o endurecimento de seus corações, uns em mundos inferiores, outros em raças terrestres ainda atrasadas, equivalentes a mundos daquela ordem, aos quais levarão os conhecimentos que hajam adquirido, tendo por missão fazê-las avançar. Substituí-los-ão Espíritos melhores, que farão reinem em seu seio a justiça, a paz e a fraternidade.

Transformação
A Terra, no dizer dos Espíritos, não terá de transformar-se por meio de um cataclismo que aniquile de súbito uma geração. A atual desaparecerá gradualmente e a nova lhe sucederá do mesmo modo, sem que haja mudança alguma na ordem natural das coisas.

Tudo, pois, se processará exteriormente, como sói acontecer, com a única, mas capital diferença de que uma parte dos Espíritos que encarnavam na Terra aí não mais tornarão a encarnar. Em cada criança que nascer, em vez de um Espírito atrasado e inclinado ao mal, que antes nela encarnaria, virá um Espírito mais adiantado e propenso ao bem.

Muito menos, pois, se trata de uma nova geração corpórea, do que de uma nova geração de Espíritos. Sem dúvida, neste sentido é que Jesus entendia as coisas, quando declarava: «Digo-vos, em verdade, que esta geração não passará sem que estes fatos tenham ocorrido.» (*) Assim decepcionados ficarão os que contem ver a transformação operar-se por efeitos sobrenaturais e maravilhosos.

Transição
A época atual é de transição; confundem-se os elementos das duas gerações. Colocados no ponto intermédio, assistimos à partida de uma e à chegada da outra, já se assinalando cada uma, no mundo, pelos caracteres que lhes são peculiares.

Têm idéias e pontos de vista opostos as duas gerações que se sucedem. Pela natureza das disposições morais, porém sobretudo das disposições intuitivas e inatas, torna-se fácil distinguir a qual das duas pertence cada indivíduo.

Cabendo-lhe fundar a era do progresso moral, a nova geração se distingue por inteligência e razão geralmente precoces, juntas ao sentimento inato do bem e a crenças espiritualistas, o que constitui sinal indubitável de certo grau de adiantamento anterior. Não se comporá exclusivamente de Espíritos eminentemente superiores, mas dos que, já tendo progredido, se acham predispostos a assimilar todas as idéias progressistas e aptos a secundar o movimento de regeneração.

O que, ao contrário, distingue os Espíritos atrasados é, em primeiro lugar, a revolta contra Deus, pelo se negarem a reconhecer qualquer poder superior aos poderes humanos; a propensão instintiva para as paixões degradantes,para os sentimentos antifraternos de egoísmo, de orgulho, de inveja, de ciúme; enfim, o apego a tildo o que é material: a sensualidade, a cupidez, a avareza.

Desses vícios é que a Terra tem de ser expurgada pelo afastamento dos que se obstinam em não emendar-se; porque são incompatíveis com o reinado da fraternidade e porque o contacto com eles constituirá sempre um sofrimento para os homens de bem. Quando a Terra se achar livre deles, os homens caminharão sem óbices para o futuro melhor que lhes está reservado, mesmo neste mundo, por prêmio de seus esforços e de sua perseverança, enquanto esperem que uma depuração mais completa lhes abra o acesso aos mundos superiores.

Não se deve entender que por meio dessa emigração de Espíritos sejam expulsos da Terra e relegados para mundos inferiores todos os Espíritos retardatários. Muitos, ao contrário, aí voltarão, porquanto muitos há que o são porque cederam ao arrastamento das circunstâncias e do exemplo. Nesses, a casca é pior do que o cerne. Uma vez subtraídos à influência da matéria e dos prejuízos do mundo corporal, eles, em sua maioria, verão as coisas de maneira inteiramente diversa daquela por que as viam quando em vida, conforme os múltiplos casos que conhecemos. Para isso, têm a auxiliá-los Espíritos benévolos que por eles se interessam e se dão pressa em esclarecê-los e em lhes mostrar quão falso era o caminho que seguiam. Nós mesmos, pelas nossas preces e exortações, podemos concorrer para que eles se melhorem, visto que entre mortos e vivos há perpétua solidariedade.

Renovação gradual
É muito simples o modo por que se opera a transformação, sendo, como se vê, todo ele de ordem moral, sem se afastar em nada das leis da Natureza. Sejam os que componham a nova geração Espíritos melhores, ou Espíritos antigos que se melhoraram, o resultado é o mesmo. Desde que trazem disposições melhores, há sempre uma renovação. Assim, segundo suas disposições naturais, os Espíritos encarnados formam duas categorias: de um lado, os retardatários, que partem; de outro, os progressistas, que chegam. O estado dos costumes e da sociedade estará, portanto, no seio de um povo, de uma raça, ou do mundo inteiro, em relação com aquela das duas categorias que preponderar.

Uma comparação vulgar ainda melhor dará a compreender o que se passa nessa circunstância. Figuremos um regimento composto na sua maioria de homens turbulentos e indisciplinados, os quais ocasionarão nele constantes desordens que a lei penal terá por vezes dificuldades em reprimir. Esses homens são os mais fortes, porque mais numerosos do que os outros. Eles se amparam, animam e estimulam pelo exemplo. Os poucos bons nenhuma influência exercem; seus conselhos são desprezados; sofrem com a companhia dos outros, que os achincalham e maltratam. Não é essa uma imagem da sociedade atual?

Suponhamos que esses homens são retirados um a um, dez a dez, cem a cem, do regimento e substituídos gradativamente por iguais números de bons soldados, mesmo por alguns dos que, já tendo sido expulsos, se corrigiram. Ao cabo de algum tempo, existirá o mesmo regimento, mas transformado. A boa ordem terá sucedido à desordem.

Partidas coletivas
As grandes partidas coletivas, entretanto, não têm por único fim ativar as saídas; têm igualmente o de transformar mais rapidamente o espírito da massa, livrando-a das más influências e o de dar maior ascendente às idéias novas.

Por estarem muitos, apesar de suas imperfeições, maduros para a transformação, é que muitos partem, a fim de apenas se retemperarem em fonte mais pura. Enquanto se conservassem no mesmo meio e sob as mesmas influências, persistiriam nas suas opiniões e nas suas maneiras de apreciar as coisas. Uma estada no mundo dos Espíritos bastará para lhes descerrar os olhos, por isso que aí vêem o que não podiam ver na Terra. O incrédulo, o fanático, o absolutista, poderão, conseguintemente, voltar com idéias inatas de fé, tolerância e liberdade. Ao regressarem, acharão mudadas as coisas e experimentarão a influência do novo meio em que houverem nascido. Longe de se oporem às novas idéias, constituir-se-ão seus auxiliares.

Regeneração
A regeneração da Humanidade, portanto, não exige absolutamente a renovação integral dos Espíritos: basta uma modificação em suas disposições morais. Essa modificação se opera em todos quantos lhe estão predispostos, desde que sejam subtraídos à influência perniciosa do mundo. Assim, nem sempre os que voltam são outros Espíritos; são com freqüência os mesmos Espíritos, mas pensando e sentindo de outra maneira. Quando insulado e individual, esse melhoramento passa despercebido e nenhuma influência ostensiva alcança sobre o mundo. Muito outro é o efeito, quando a melhora se produz simultaneamente sobre grandes massas, porque, então, conforme as proporções que assuma, numa geração, pode modificar profundamente as idéias de um povo ou de uma raça.

É o que quase sempre se nota depois dos grandes choques que dizimam as populações. Os flagelos destruidores apenas destroem corpos, não atingem o Espírito; ativam o movimento de vaivém entre o mundo corporal e o mundo espiritual e, por conseguinte, o movimento progressivo dos Espíritos encarnados e desencarnados. É de notar-se que em todas as épocas da História, às grandes crises sociais se seguiu uma era de progresso.

Renascimento
Opera-se presentemente um desses movimentos gerais, destinados a realizar uma remodelação da Humanidade. A multiplicidade das causas de destruição constitui sinal característico dos tempos, visto que elas apressarão a eclosão dos novos germens. São as folhas que caem no outono e às quais sucedem outras folhas cheias de vida, porquanto a Humanidade tem suas estações, como os indivíduos têm suas várias idades. As folhas mortas da Humanidade caem batidas pelas rajadas e pelos golpes de vento, porém, para renascerem mais vivazes sob o mesmo sopro de vida, que não se extingue, mas se purifica.

Para o materialista, os flagelos destruidores são calamidades carentes de compensação, sem resultados aproveitáveis, pois que, na opinião deles, os aludidos flagelos aniquilam os seres para sempre. Para aquele, porém, que sabe que a morte unicamente destrói o envoltório, tais flagelos não acarretam as mesmas conseqüências e não lhe causam o mínimo pavor; ele lhes compreende o objetivo e não ignora que os homens não perdem mais por morrerem juntos, do que por morrerem isolados, dado que, duma forma ou doutra, a isso hão de todos sempre chegar.

Os incrédulos rirão destas coisas e as qualificarão de quiméricas; mas, digam o que disserem, não fugirão à lei comum; cairão a seu turno, como os outros, e, então, que lhes acontecerá? Eles dizem: Nada! Viverão, no entanto, a despeito de si próprios e se verão, um dia, forçados a abrir os olhos."

KARDEC, Allan. A Gênese. 112ª ed. Rio de Janeiro:
FEB, 36ª ed.. 1992. Cap. XVIII: itens 27 a 35.


Já escrevi em outras oportunidades sobre este assunto - a transição que a "Terra" está passando da era das 'provas e expiações' para a era da 'regeneração' e outros artigos afins.
Abraços,
Roberta Carrilho

Seguem os links para facilitar: