quinta-feira, 5 de abril de 2018

VIKING NORUEGUÊS É A NOVA SENSAÇÃO DA INTERNET


Vi.king (realmente este homem é um rei!!!) que lindeza deste homem... sinto atração física por homens com aparência dos nórdicos ou do leste europeu! Mas além da aparência eu preciso admirar o caráter e inteligência. Sem admiração sem atração ou desejo. Simples assim! 
Roberta Carrilho



Um oficial da marinha da Noruega está causando o maior furor na internet. O motivo? Bom, ele está sendo comparado a Vikings e foi até apelidado como um por conta de seu cabelo longo e barba comprida. 

Mas essa não é a única razão. A beleza do rapaz tem chamado a atenção de mulheres (e homens também) do mundo todo. Aos 30 anos, Lasse Matberg já atraiu mais de 220 mil seguidores para o seu Instagram, no qual a maioria das fotos se resume a ele em lugares com lindas paisagens, além de ensaios fotográficos. 

Veja alguns cliques deste homem de beleza exuberante. 

Mas que olhos, cabelos, barba, dentes, etc... e o corpão de deus-grego <3 div="">
 (vejam o peitoral deste homem e as pernas? Senhor!! É Perfeito benzadeus!)
 










SEPARAÇÃO AFETIVA – UMA VISÃO BUDISTA por Monja Coen.




Separar-se dói, mas também pode ser uma benção.


É possível separar-se de alguém com respeito e com ternura? É possível um divórcio verdadeiramente amigável?

Sim! Mas para isso é preciso que as duas pessoas envolvidas no processo de desfazer um laço de intimidade tenham amadurecido o suficiente para conhecer a si mesmas. Caminhamos lado a lado com algumas pessoas em alguns momentos da vida.


Minha professora de hatha ioga, Walkiria Leitão, comentou em uma de nossas aulas:

“A vida é como atravessar uma ponte. Nem sempre as pessoas com quem iniciamos a travessia são as mesmas que nos cercam agora ou com quem chegaremos do outro lado. Mas sempre há alguém por perto. Nunca estamos sós.”

O medo da solidão, muitas vezes, faz com que as pessoas suportem o insuportável. Ou se lamentem após uma separação, apegadas até mesmo ao conflito conhecido. Ainda há mulheres que sofrem violências morais e até mesmo físicas de seus companheiros ou companheiras.


Como dar limites? Como conhecer esses limites?

Quando os limites são desrespeitados, as dificuldades começam. Dificuldades que podem levar à separação e ao divórcio. Dificuldades que podem levar ao sofrimento filhos e filhas, animais de estimação, amigos, familiares.

Caminhamos lado a lado. Ou não. Quando nos afastamos e nos distanciamos, nunca é repentino. Um processo que, se desenvolvermos a clara percepção da realidade do assim como é, poderemos prever, antecipar e até mesmo alterar o desenvolvimento do processo.

Entretanto, se não conseguirmos antever o que já acontece, se colocarmos lentes fantasiosas sobre a realidade, poderemos nos desiludir e nos sentirmos traídos na confiança mais íntima do ser.

Professor Hermógenes, um dos pioneiros do yoga no Brasil, fala sobre a criação de uma nova religião chamada “desilusionismo”:

“Cada vez que temos uma desilusão estamos mais perto da verdade, por isso agradecemos.”

Se você teve uma desilusão é porque não estava em plena atenção. Mas não fique com raiva nem de você nem da outra pessoa. Nada é fixo. Nada é permanente. Saber abrir mão, desapegar-se – até da maneira como tem vivido – é abrir novas possibilidades para todos.


Por que sofrer? Por que manter relações estagnadas ou de conflito permanente? Ou como transformar essas relações e dar vida nova ao relacionamento?

Apreciar e compreender a vida em cada instante é uma arte a ser praticada. Separar-se dói, confunde, mexe com sonhos e estruturas básicas de relacionamentos. Separação pode ser também uma bênção, uma libertação de uma fantasia, de uma ilusão. Observe em profundidade.


Será que ainda é possível restaurar o vaso antigo?

No Japão, as peças restauradas são mais valiosas do que as novas. Tem história, emoção, sentimento. Cuidado com o eu menor. Cuidado com sentimentos de rancor, raiva, vingança. Esse sentimentos destroem você, mais do que as outras pessoas. Desenvolva a mente de sabedoria e de compaixão. Queira o bem de todos os seres. Isso inclui você. Cuide-se bem e aprecie a sua vida – assim como é –, renovando-se a cada instante e abrindo portais para o desconhecido, o novo – que pode ser antigo, mas novo a cada instante.

Mantenha viva a chama do amor incondicional e saiba se separar (se assim for) com a mesma ternura e respeito com que se uniu. Esse o princípio de uma cultura de paz e de não violência ativa. Que assim seja, para o bem de todos os seres.

Mãos em prece __/\__


5 SINAIS QUE O UNIVERSO ENVIA QUANDO VOCÊ ESTÁ NO CAMINHO ERRADO por Luiza Fletcher



1. Comentários negativos de outras pessoas
Algumas pessoas são desagradáveis ​​e isso é um fato da vida, mas quando as pessoas realmente começam a se rebelar contra você e o que está fazendo, você deve fazer uma pausa.

2. Uma sensação desconfortável, em geral
Este é um sentimento incrivelmente familiar para todos – uma espécie de intuição desagradável de que as coisas não estão bem. Quando sua intuição está lhe dizendo que as coisas não estão bem, é uma aposta segura de que você não está no caminho certo!

3. Mais raiva do que o normal
Quando você não está no caminho certo, as coisas tendem a ser consideravelmente mais difíceis. Como resultado, você pode encontrar-se com mais raiva do que o normal. Claro, você pode lidar com essa raiva através de exercícios de respiração profunda e outras coisas saudáveis, mas considere o motivo da raiva, para começar. Será que é porque você não está no caminho certo na vida?

4. Dores de cabeça e doenças
Quando você está no caminho errado, o universo envia sinais através de seu corpo. Manifesta-se em dores de cabeça, sistemas imunológicos comprometidos, e doenças. Quando você está no caminho errado, o seu próprio ser sofre.

5. Perda e quebra coisas importantes
O sinal final enviado pelo universo é a perda e quebra de coisas que são caras à você. Elas são presságios, sinais de que você deve mudar seu caminho.





10 DOENÇAS ESPIRITUALMENTE TRANSMISSÍVEIS por Mariana Caplan




As seguintes 10 categorizações não se destinam a ser definitivas, mas são oferecidos como uma ferramenta para se tornar consciente de algumas das doenças mais comuns transmitidas espiritualmente.

1. A Espiritualidade Fast-Food: Misture a espiritualidade com uma cultura que celebra a velocidade, a multitarefa e gratificação instantânea e o resultado é provável que seja a espiritualidade fast-food. A espiritualidade fast-food é um produto da fantasia comum e compreensível que o alívio do sofrimento da nossa condição humana pode ser rápida e fácil. Uma coisa é certa, porém: a transformação espiritual não pode ser obtida em uma solução rápida.

2. Falsa Espiritualidade: a espiritualidade do falso é a tendência de falar, vestir e agir como se imagina que uma pessoa espiritual seja. É uma espécie de imitação da espiritualidade que imita a realização espiritual da maneira que o tecido estampado de pele de onça imita a pele genuína de uma onça.

3. Motivações Confusas: Embora o nosso desejo de crescer seja genuíno e puro, muitas vezes ele se confunde com motivações menores, incluindo o desejo de ser amado, o desejo de pertencer, a necessidade de preencher nosso vazio interno, a crença de que o caminho espiritual removerá o nosso sofrimento e ambição espiritual, o desejo de ser especial, de ser melhor do que, para ser "o único".

4. Identificando-se com Experiências Espirituais: Nesta doença, o ego se identifica com a nossa experiência espiritual e a toma como sua própria, e nós começamos a acreditar que estamos incorporando insights e idéias que surgiram dentro de nós em determinados momentos. Na maioria dos casos, isso não dura indefinidamente, embora tenda a perdurar por longos períodos de tempo para aqueles que se julgam iluminados e/ou que trabalham como professores espirituais.

5. O Ego Espiritualizado: Essa doença ocorre quando a própria estrutura da personalidade egóica se torna profundamente integrada com conceitos espirituais e idéias. O resultado é uma estrutura egóica, que é "à prova de bala." Quando o ego se torna espiritualizado, somos invulneráveis a ajudar, uma nova entrada, ou comentários construtivos. Nos tornamos seres humanos e impenetráveis e estamos tolhidos em nosso crescimento espiritual, tudo em nome da espiritualidade.

6. Produção em Massa de Professores Espirituais: Há uma série de atuais tradições espirituais da moda , que produzem pessoas que acreditam estar em um nível de iluminação espiritual, ou mestria, que está muito além de seu nível real. Esta doença funciona como uma correia transportadora espiritual: coloca este brilho, leva àquele insight, e - bom! - Você está iluminado e pronto para iluminar os outros de maneira similar. O problema não é aquilo que tais professores ensinam, mas que representam a si próprios como tendo realizado a mestria espiritual .

7. Orgulho Espiritual: O orgulho espiritual surge quando o profissional, através de anos de esforço trabalhado efetivamente alcançou um certo nível de sabedoria e que usa esse conhecimento para se desligar a novas experiências. Um sentimento de "superioridade espiritual" é outro sintoma desta doença transmitida espiritualmente. Ela se manifesta como uma sensação sutil de que "Eu sou melhor, mais sábio e acima dos outros porque sou espiritual".

8. Mente de Grupo: Também conhecido como o pensamento grupal, mentalidade de culto ou doença ashram. A mente de grupo é um vírus insidioso que contém muitos elementos tradicionais da co-dependência. Um grupo espiritual faz acordos sutis e inconscientes sobre as formas corretas de pensar, falar, vestir e agir. Indivíduos e grupos infectados com o "espírito de grupo" rejeitam indivíduos, atitudes e circunstâncias que não estão em conformidade com as regras, muitas vezes não escritas do grupo.

9. O Complexo de Povo Escolhido: O complexo de pessoas escolhidas não se limita aos judeus. É a crença de que "O nosso grupo é mais poderoso, iluminado e evoluído espiritualmente, e simplesmente colocado, melhor do que qualquer outro grupo." Há uma distinção importante entre o reconhecimento de que alguém encontrou o caminho certo, o professor, ou comunidade para si, e tendo encontrado aquele, O Único.

10. O Vírus Mortal: "Eu Cheguei": Esta doença é tão potente que tem a capacidade de ser terminal e mortal para a nossa evolução espiritual. Esta é a crença de que "Eu cheguei" na meta final do caminho espiritual. Nosso progresso espiritual termina no ponto em que essa crença se cristalizou em nossa psique, no momento em que começamos a acreditar que chegamos ao fim do caminho, um maior crescimento cessa.

Por Mariana Caplan, Ph.D.
Adaptado de Eyes Wide Open (Olhos Bem Abertos):
Cultivando o Discernimento no Caminho Espiritual 
(True Sounds)



quarta-feira, 14 de março de 2018

CANÇÃO DAS MULHERES por Lya Luft



Muito eu esta crônica da Lya Luft 
uma belíssima reflexão feminina 
Roberta Carrilho



Que o outro saiba quando estou com medo, e me tome nos braços sem fazer perguntas demais.

Que o outro note quando preciso de silencio e não vá embora batendo a porta, mas entenda que não o amarei menos porque estou quieta.

Que o outro aceite que me preocupo com ele e não se irrite com minha solicitude, e se ela for excessiva saiba me dizer isso com delicadeza ou bom humor.

Que o outro perceba minha fragilidade e não ria de mim, nem se aproveite disso.

Que se eu faço uma bobagem o outro goste um pouco mais de mim, porque também preciso poder fazer tolices tantas vezes.

Que se estou apenas cansada o outro não pense logo que estou nervosa, ou doente, ou agressiva, nem diga que reclamo demais.

Que o outro sinta quanto me dói a ideia da perda, e ouse ficar comigo um pouco mais – em lugar de voltar logo à sua vida, indo porque lá está a sua verdade mas talvez seu medo ou sua culpa.

Que se começo a chorar sem motivo depois de um dia daqueles, o outro não desconfie logo que é culpa dele, ou que não o amo mais.

Que se estou numa fase ruim o outro seja meu cúmplice, mas sem fazer alarde nem dizendo “Olha que estou tendo muita paciência com você!”

Que se me entusiasmo por alguma coisa o outro não a diminua, nem me chame de ingênua, nem queira fechar essa porta necessária que se abre para mim, por mais tola que lhe pareça.

Que quando sem querer eu digo uma coisa bem inadequada diante de mais pessoas, o outro não me exponha nem me ridicularize.

Que quando levanto de madrugada e ando pela casa, o outro não venha logo atrás de mim reclamando: “Mas que chateação essa sua mania, volta pra cama!”

Que se eu peço um segundo drinque no restaurante o outro não comente logo: “Pôxa, mais um?”

Que se eu eventualmente perco a paciência, perco a graça e perco a compostura, o outro ainda assim me ache linda e me admire.

Que o outro – filho, amigo, amante, marido – não me considere sempre disponível, sempre necessariamente compreensiva, mas me aceite quando não estou podendo ser nada disso.

– crônica de Lya Luft, do livro ‘Pensar é transgredir’. Rio de Janeiro: Editora Record, 2004.


sexta-feira, 9 de março de 2018

ERÓTICA É A ALMA por Adélia Prado




Todos vamos envelhecer... Querendo ou não, iremos todos envelhecer. As pernas irão pesar, a coluna doer, o colesterol aumentar. A imagem no espelho irá se alterar gradativamente e perderemos estatura, lábios e cabelos. A boa notícia é que a alma pode permanecer com o humor dos dez, o viço dos vinte e o erotismo dos trinta anos. 

O segredo não é reformar por fora. É, acima de tudo, renovar a mobília interior: tirar o pó, dar brilho, trocar o estofado, abrir as janelas, arejar o ambiente. Porque o tempo, invariavelmente, irá corroer o exterior. E, quando ocorrer, o alicerce precisa estar forte para suportar. 

Erótica é a alma que se diverte, que se perdoa, que ri de si mesma e faz as pazes com sua história. Que usa a espontaneidade pra ser sensual, que se despe de preconceitos, intolerâncias, desafetos. 

Erótica é a alma que aceita a passagem do tempo com leveza e conserva o bom humor apesar dos vincos em torno dos olhos e o código de barras acima dos lábios. 

Erótica é a alma que não esconde seus defeitos, que não se culpa pela passagem do tempo. 

Erótica é a alma que aceita suas dores, atravessa seu deserto e ama sem pudores. 

Aprenda: bisturi algum vai dar conta do buraco de uma alma negligenciada anos a fio.


Texto do livro "Erótica é a Alma". Adélia Prado


sexta-feira, 10 de novembro de 2017

ENSAIO FOTOGRÁFICO MAITÊ CARRILHO (minha filha mais velha)



Impressionante como ela se parece hoje comigo quando moça. Quem me conheceu pode confirmar. Estou um pouco assustada com esta semelhança.
Instagran para contato comercial @maitecarrilho
ou pelo Facebook Maite Carrilho Dias



























segunda-feira, 16 de outubro de 2017

SEJA VOCÊ por OSHO



Quando você começa a ficar responsável em relação a si mesmo, começa a abandonar suas máscaras. Os outros começam a se sentir perturbados, porque eles sempre tiveram expectativas e você satisfazia essas exigências. Agora eles sentem que você está ficando irresponsável.

Quando os outros dizem que você está sendo irresponsável, estão simplesmente dizendo que você está saindo do controle deles. Você está ficando mais livre. Para condenar o seu comportamento, eles o chamam de irresponsável.
Na verdade, sua liberdade está crescendo e você está se tornando responsável. Responsabilidade significa a habilidade de responder. Ela não é uma obrigação que precisa ser satisfeita no sentido comum. Ela é capacidade de responder, sensibilidade.

Porém, quanto mais sensível você se tornar, mais descobrirá que muitas pessoas acham que você está ficando irresponsável – e você precisa aceitar isso -, porque os interesses delas, os investimentos delas não serão satisfeitos. Muitas vezes você não satisfará as suas expectativas, mas ninguém está aqui para satisfazer as expectativas dos outros.

A responsabilidade básica é para com você mesmo. Assim, um meditador primeiro se torna muito egoísta. Porém, mais tarde, quando ele ficar mais centrado, mais enraizado em seu próprio ser, a energia começará a transbordar. Mas isso não é uma obrigação, não é que a pessoa precise fazê-lo. Ela adora fazê-lo; trata-se de um compartilhar.

Osho




quinta-feira, 27 de julho de 2017

FELICITAÇÕES PELOS 15 ANOS DA MINHA FILHA AMADA MARIA EDUARDA CARRILHO



🍃🌸🌷🌸♥🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🍃






 #BomDiaFilhaQuerida# 🎂


💕 Hoje, filha querida, você está fazendo 15 anos…

💕 Que emoção para um coração de mãe que te carregou no ventre e desejou para sua vida os melhores e maiores sonhos.

💕 Que data especial para se fazer planos de felicidade! Solte sua alegria e deixe-a bailar no compasso da emoção!

💕 Você é uma linda jovem que está deixando para trás um mundo de bonecas e de fantasias infantis, para fazer parte do mundo maduro e complicado dos adultos.

💕 Não tema nada minha filha, ao seu lado estou e estarei sempre, pois meu amor por você é infinito, forte e ultrapassa qualquer fronteira de tempo ou de distância.

💕 Eu te amo filha e quero que sintas a minha emoção por te ver completar 15 anos.

💕 Viva intensamente o dia de hoje, ele é inteiramente seu e receba o carinho de todas as pessoas que te cercam e que te desejam somente o bem.

💕 Este momento agora é somente o começo, o início de uma vida linda e plena de realizações que você irá trilhar, com todo o meu amor e o meu apoio por muitos anos.


🎉🎊🎏 Parabéns filha pelos seus 15 anos! 🎂🍰 
🍃Maria Eduarda Carvalho Carrilho Clébicar Nogueira🍃 
... é o nome que eu lhe dei há 15 anos atrás pra você fazer parte deste mundo e da minha vida. Minha filha! 

☺Parabéns meu amor! 


Que os seus sonhos mais secretos possam ser realizados, que você tenha força, equilíbrio, energia, amor, respeito por todos, saúde física e emocional, coragem, humildade, benevolência, paciência e fé.

Estes são os meus desejos pra sua vida hoje e sempre.
🍃♥🍃

🍃"Nunca me esqueça porque eu nunca poderei viver sem você. Meu amor é eterno e pra sempre por você." 🍃

Mamãe ♥


🍃🌸🌷🌸♥🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🌷🌸🍃

O PECADO POLÍTICO por Rander Maia


Obrigada meu amigo querido Rander Maia de Boa Esperança  por compartilhar comigo mais uma das suas fantásticas crônicas. Sempre carinhoso e amoroso comigo.

Roberta Carrilho 
  


A política é uma causa nobre e a bíblia diz que devemos orar pelos nossos governantes. Ela é importante para servir ao país e ao povo, mas do jeito que está sendo exercida no Brasil, ela macula e desvirtua seus objetivos. 

Numa outra crônica usei pela primeira vez o termo “pecado político” para expressar a falência do sistema político no país e o descalabro da atuação dos políticos brasileiros nas últimas décadas. A corrupção institucionalizada, a incompetência e o descompromisso dos nossos governantes, senadores, deputados federais e estaduais com os interesses da nação, dos estados e do povo não é novidade na vida política brasileira. Mas, sem dúvida alguma, é a maior que já existiu nesse país, que parece esquecido por Deus, desde que o Brasil se tornou independente. Jamais existiu coisa parecida. Desde que o Brasil trocou os governos militares por essa democracia corrompida nunca tivemos tantos desgovernos e tanta corrupção. Existe coisa mais imoral que o foro privilegiado dos políticos, que só existe no Brasil, para crimes comuns? O congresso e as assembleias consagram a impunidade. Os homens do poder, ao assumirem um mandato pensam somente em seus próprios interesses, em acumular riqueza e status em detrimento dos verdadeiros interesses da nação e do povo. No Brasil a maioria dos partidos políticos é criada para atender interesse de corporações e ou projetos políticos pessoais. Atualmente são 35 partidos. É surreal. Na verdade não são partidos. São legendas. Não têm ideologia e não cumprem os seus próprios programas. Têm interesses. Não pensam no Brasil. Não são patriotas. Disse o, escritor Diogo Mainardi, “Brasil não tem partido de direita, de esquerda, de nada, tem um bando de salafrários que se unem pra roubar juntos”. 

Criam-se verdadeiras organizações políticas criminosas que permitem cuidarem tranquilamente de seus interesses pessoais, na busca pelo poder, não para servir ao povo, mas o poder pelo poder, para se servirem e se abastarem com o dinheiro público. Muitas obras que são realizadas pelos nossos governantes mais com o intuito de levarem vantagens ou mesmo roubarem e se locupletarem do que propriamente para servir a população. Alguns são espertalhões. Sabem roubar e não são descobertos ou ainda não foram, embora todos sabem da origem de sua riqueza. Hipócritas. Pensam que o povo é tolo. E mesmo quando pegos em suas falcatruas, têm o cinismo de dizerem: Foi tudo feito dentro da lei e as contas foram aprovadas. São profissionais do cinismo. Tentam desqualificar os críticos na tentativa de vestir a trapaça com o verniz da lisura. Uma desfaçatez. É o roubo institucionalizado. É, sim, a exploração dos trabalhadores pelos governantes, senadores, deputados e ocupantes de cargos do alto escalão, em todos os poderes da república, que vão acumulando vantagens, benefícios e benesses com seus altos salários que chegam a receber 40, 50 e 80 mil reais mensais ou mais. Recebem auxílios e mais auxílios. Falta vergonha. Sobra ganância. E o povo pergunta: Para que servem o Congresso Nacional e as Assembleias Estaduais que deveriam ser os guardiões da democracia e da decência? Para nada responde a maioria da população. Ah sim, servem de balcão de negócios escusos dos políticos corruptos. Infelizmente. Enquanto isso, as mais diversas categorias profissionais tão úteis e importantes à sociedade brasileira não tem o valor nem a remuneração que merecem. 

A corrupção e a ganância dos políticos brasileiros devastam o país e essa roubalheira institucionalizada retira os recursos da saúde pública, da segurança, da educação, das obras de infraestrutura necessárias ao país. Recentemente num programa de televisão do jornalista Alexandre Garcia com especialistas no assunto, ele afirmou que o Congresso brasileiro gasta para atender a assistência médica, paga com os recursos públicos, dos senadores e deputados o equivalente ao que 5.500 municípios brasileiros gastam para atender a assistência à saúde de seus munícipes. Afirmou, também, que o fundo partidário criado pelos políticos com verbas públicas para os partidos políticos fazerem politicagem é um saque escamoteado e um acinte a dignidade do povo brasileiro. 

Os governos do Brasil contemporâneo insistem em cobrar mais e mais impostos, quando poderiam cortar as despesas supérfluas, os privilégios e a corrupção. Recursos absurdos são subtraídos na forma de aposentadorias kafkianas e injustas e privilégios descabidos para políticos e ocupantes de altos cargos públicos. Sem falar nos milhares cargos comissionados desnecessários criados somente para acomodar seus apaniguados. O povo brasileiro trabalha cinco meses do ano somente para sustentar uma máquina administrativa onerosa, ineficiente desses governos perdulários, corruptos e incompetentes. O povo brasileiro vive uma distopia, termo usado pelo escritor e jornalista inglês George Orwell para designar a opressão governamental, e assim o povo brasileiro vive oprimido pela corrupção, pela excessiva carga tributária, pelo imposto de renda injusto e desumano que tanto sacrifica a classe média, pelos péssimos serviços públicos e pelo podre sistema político. É o império da opressão. 

Agora, o Governo Federal, cujos donos do poder ostentam polpudas aposentadorias, apresenta uma proposta criminosa e covarde de reforma da previdência que é uma violência e muito prejudica os trabalhadores e suas viúvas. E ainda a sensação de impotência, pois, aqueles que deveriam defender o interesse do povo, em sua maioria, são corrompidos e venais. Certamente os privilegiados políticos e os marajás do serviço público não estarão incluídos nela ou encontrarão outras formas de se beneficiarem. E com essa reforma, que vai provocar o empobrecimento dos trabalhadores e da classe média brasileira, os brasileiros irão se aposentarem na hora da morte. Dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo de Belo Horizonte, afirmou em entrevista a jornal “Estado de Minas”: “falta moral a maioria dos atuais deputados e senadores para reformar a previdência”. Segundo especialistas em seguridade social, a previdência social urbana não é deficitária. Temos um governo podre e medíocre. 

É injusto e opressivo recolher impostos cada vez mais escorchantes do povo trabalhador para enriquecer os políticos e atender as suas mordomias. Os recursos que faltam nos serviços públicos de qualidade, na construção de obras de interesse da população são consumidos pela corrupção, pelos altos salários dos ocupantes de cargos públicos ou jogados no ralo do desperdício. Empobreceram o país. Vivemos uma democracia corrompida e um sistema político apodrecido. Elegemos políticos para nos roubarem. Mas a verdade é que ultimamente Brasil tem sido governado por organizações criminosas travestidas de partidos políticos. A intemperança desses políticos rasga a alma brasileira. 

Os recursos roubados são o dinheiro retirado do povo pelos impostos absurdos. É o pecado político. É o pecado cometido pelos políticos que roubam e se locupletam disfarçados com o verniz da honestidade que não possuem e acham que enganam o povo. Certamente o inferno estará cheio desses políticos e governantes desonestos e dissimulados. O Brasil e os brasileiros estão mal servidos com seus governantes e representantes no parlamento e nas assembleias estaduais. Com honrosas exceções. 
Como diz o padre Fábio de Melo; “O poder não é fonte de vaidade”. 

Nem de enriquecimento ilícito. Isso mesmo, eles são eleitos para servir ao país e ao povo e não para se servirem. O Brasil tem jeito, mas o sistema político tem que mudar e as mordomias e privilégios dos políticos têm que acabar. Estamos acomodados e não adianta somente nos indignar. É preciso reagir e manifestar repúdio contra esse descalabro dos políticos e dos governantes brasileiros. A desilusão e a descrença com a política e com os políticos são generalizadas. BASTA.


AUSTERIDADE PARA QUEM?


Após o golpe, Michel #ForaTemer busca se legitimar com o discurso de austeridade financeira. Emenda Constitucional nº 95 (Pec do Fim do Mundo), terceirização, antirreforma trabalhista, destruição da Previdência, aumento do PIS/Cofins dos combustíveis e, por último, o programa de demissão voluntária (PDV) para os servidores públicos do Poder Executivo. Tudo isso com o falacioso “argumento” de cobrir o “rombo” do orçamento. O discurso é neoliberal de sempre.

Mas, qualquer pingo de legitimidade que ele pudesse vir a ter foi para o ralo com a desfaçatez com que verbas públicas para atender a um desejo individual: a sua manutenção no poder. Para garantir o apoio do Congresso, Temer derrama rios de dinheiro em emendas parlamentares para a base aliada, aumenta cargos de confiança no Executivo.

Individual? Mas e a aprovação da antirreforma trabalhista não seria uma demonstração de força de Michel Temer? Não. A trabalhista passou porque havia uma comoção, em função da composição social do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, para votar ao seu favor. A maioria é formada por empresários míopes de visão estratégica e que votam por interesse próprio, e não para favorecer o Temer. Há uma coincidência de propósitos




O PODER DA ALMA


Do ontem, traga o máximo de experiencias que puder, do hoje, faça o seu melhor, e tenha cautela. Agindo assim, para o amanhã, você terá infinitas surpresas e merecimento digno do que tiver que colher.



terça-feira, 4 de abril de 2017

MORO SE IRRITA COM PROCURADORES


Curitiba Urgente: Força tarefa faz reunião de emergência, e o clima é tenso! (veja em tela cheia) - Vídeo de Paulo Sérgio 

Adorei!! 
Bem assim mesmo este deusmoro fascista kkkkkk
Roberta Carrilho 







quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

GRATIDÃO SENTIMENTO DE PESSOAS NOBRES DE CARÁTER E CORAÇÃO....


Bom Carnaval para todos!!!!
Roberta Carrilho



P.s.: Eu não curto carnaval (carne que nada vale) mas para quem gosta então se joga ... na folia - rs 



INGRATIDÃO MATA PAIXÃO, ALIÁS, MATA TUDO!! NADA SOBREVIVE ESTE SENTIMENTO MENOR E HORRÍVEL



Precisamos parar de tentar agradar aos ingratos, de servir gente folgada, de nutrir amizades duvidosas, para que possamos percorrer somente os encontros verdadeiros.


Passamos muito tempo fazendo a coisa certa para as pessoas erradas, sofrendo as consequências das péssimas escolhas pelo caminho, sofrendo à toa por coisas inúteis e gente sem conteúdo, alimentando vãs esperanças em relação ao que não tem a menor chance de vir a acontecer. Perdemos muito tempo investindo no vazio, esperando retorno do que não volta, aguardando sorrisos de quem nem nos olha direito. É preciso focar no que é real, pois, mesmo que não haja muito de verdadeiro nesses terrenos, esse pouco bastará.

Precisamos parar de tentar agradar aos ingratos, às pessoas descontentes e incapazes de receber algo de fora. Existem indivíduos que se encontram por demais fechados ao acolhimento do que não se encontra dentro deles, do que não faz parte daquele mundinho em que eles se fecham, presos a crenças e sentimentos que não mudam, não são repensados, não saem do lugar. Tentar alcançá-los é inútil.

É necessário evitar a servidão aos folgados, aos aproveitadores, a quem não sai do lugar por si só, a quem foge a qualquer tipo de responsabilidade, pois sabe que alguém sempre fará por ele. Temos que ter clareza quanto ao que realmente devemos e poderemos tomar para nós, ou acumularemos cargas de bagagens que não são, nem de longe, relacionadas às nossas vidas. Muita gente precisa de ajuda, sim, mas muitos precisam é de vergonha na cara.

Não podemos nutrir amizades duvidosas, com pessoas que não expressam a menor necessidade de nós, como se tanto nossa presença quanto nossa ausência fossem a mesma coisa, algo sem importância, invisível, dispensável. Nem todos de quem gostamos irão gostar de nós, o retorno da estima e da afeição nunca é uma certeza, portanto, há necessidade de que adentremos exclusivamente os encontros verdadeiros.

Não é fácil nem tranquilo conseguirmos acertar quanto ao que poderemos regar com a certeza de retorno e reciprocidade, uma vez que as pessoas, os acontecimentos, a vida, tudo é imprevisível. Embora muito do que acontecerá em nossas vidas não possa ser controlado, mantermos sob controle nossas verdades e a certeza de que merecemos ser felizes nos tornará mais fortes diante dos tombos, sem que desistamos de nossos sonhos.


EXISTÊNCIA by Paulo Coelho



''Precisamos esquecer o que achamos ser...
Para que possamos realmente ser o que somos.''

Paulo Coelho


sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

A ALMA É UMA BORBOLETA por Rubem Alves


"A alma é uma borboleta. Há um instante em que uma voz nos diz que chegou o momento de uma grande metamorfose." Rubem Alves
.







segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

ESTOU EM LUTO!!! Morre o sociólogo e filósofo Zygmunt Bauman


O intelectual tinha 91 anos e era considerado um dos principais pensadores do século XX


O filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman morreu nesta segunda-feira (9), em Leeds, na Inglaterra, informou o jornal polonês Gazeta Wyborzca. A causa da morte não foi divulgada. Aos 91 anos, Bauman era considerado um dos intelectuais mais importantes do século 20. Ele deixou a mulher, Janine Lewinson-Bauman, e três filhas. 

Nascido em Poznan, no oeste da Polônia, em 1925, Bauman fugiu do nazismo, ainda pequeno, com a família para a União Soviética. Lá, serviu na Segunda Guerra Mundial pelo Exército local.

Mais tarde voltou à Polônia, onde foi professor da Universidade de Varsóvia. O que não durou muito. Destituído do posto, teve obras censuradas e foi expulso do Partido Comunista do qual era afiliado.

Em 1968, deixou a Polônia por conta de perseguições antissemitas. Mais tarde, renunciaria à sua nacionalidade e se instalaria em Tel Aviv, em Israel. Anos depois, se fixou Universidade de Leeds, na Inglaterra, onde desenvolveu a maior parte de sua carreira.

Com uma visão crítica da realidade, Bauman era considerado um pessimista.

Um intelectual que se manteve ativo e trabalhando até os últimos momentos de sua vida. Uma de suas teorias mais conhecidas era a da “modernidade líquida” – que compreende um período de intensa mudança na humanidade: tudo que era sólido se liquidificou. De acordo com o conceito, agora “nossos acordos são temporários, passageiros, válidos apenas até novo aviso”.

A filosofia, a cultura, o individualismo, o avanço da desigualdade, a revolução digital, a efemeridade das relações a partir dessa revolução são algumas questões estudadas pelo pensador – que se tornou uma figura de referência em diferentes campos do conhecimento.

A maioria dos livros de Bauman foi traduzida para o português. Seu último título lançado no Brasil foi A Riqueza de Poucos Beneficia Todos Nós? (editora Zahar). Nele, o polonês aborda as atuais consequências do neoliberalismo que triunfou na sociedade capitalista nos aos 80.

O filósofo deu aula em universidades dos Estados Unidos, Austrália e Canadá, sendo professor emérito de sociologia da Universidade de Leeds, onde trilhou a maior parte de sua carreira. Sua obra, que começa nos anos cinquenta, foi reconhecida com prêmios como o Príncipe das Astúrias de Comunicação e Humanidades em 2010, que obteve juntamente com o colega Alan Touraine.

As teorias de Bauman exerceram grande influência nos movimentos antiglobalização. Seus ensaios alcançaram fama internacional nos anos oitenta, com títulos como Modernidade e Holocausto (1989), em que define o extermínio dos judeus pelos nazistas como um fenômeno relacionado ao desenvolvimento da modernidade. Em sua última entrevista concedida ao EL PAÍS, Bauman fez uma dura crítica às redes sociais: "As redes sociais não ensinam a dialogar porque é muito fácil evitar a controvérsia… Muita gente as usa não para unir, não para ampliar seus horizontes, mas ao contrário, para se fechar no que eu chamo de zonas de conforto, onde o único som que escutam é o eco de suas próprias vozes, onde o único que veem são os reflexos de suas próprias caras. As redes são muito úteis, oferecem serviços muito prazerosos, mas são uma armadilha". 

Entre suas obras mais significativas, destacam-se Modernidade Líquida (2000), em que afirmava que o capitalismo globalizado estava acabando com a solidez da sociedade industrial; Amor Líquido (2005); e Vida Líquida (2006). Além disso, é autor de títulos como A Cultura Como Praxis (1973, sem tradução no Brasil), O Mal-Estar da Pós-Modernidade (1997), A Globalização: As Consequências Humanas (1998), Em Busca da Política (1999), A Sociedade Individualizada(2001) e Vidas Desperdiçadas (2005). 

Entre seus trabalhos publicados em português, também encontram-se Medo Líquido (2006), A Arte da Vida (2008), Desafios do Mundo Moderno (2015) e A Riqueza de Poucos Beneficia Todos Nós? (2015). 

Relações, consumo e globalização: 9 pensamentos de Zygmunt Bauman que vão chacoalhar sua mente 


A seguir, conheça 9 pensamentos deixados pelo intelectual 

1) Sobre identidade e redes sociais

“A diferença entre a comunidade e a rede é que você pertence à comunidade, mas a rede pertence a você. É possível adicionar e deletar amigos, e controlar as pessoas com quem você se relaciona. Isso faz com que os indivíduos se sintam um pouco melhor, porque a solidão é a grande ameaça nesses tempos individualistas. Mas, nas redes, é tão fácil adicionar e deletar amigos que as habilidades sociais não são necessárias. Elas são desenvolvidas na rua, ou no trabalho, ao encontrar gente com quem se precisa ter uma interação razoável. Aí você tem que enfrentar as dificuldades, se envolver em um diálogo [...] As redes sociais não ensinam a dialogar porque é muito fácil evitar a controvérsia… Muita gente as usa não para unir, não para ampliar seus horizontes, mas ao contrário, para se fechar no que eu chamo de zonas de conforto, onde o único som que escutam é o eco de suas próprias vozes, onde o único que veem são os reflexos de suas próprias caras. As redes são muito úteis, oferecem serviços muito prazerosos, mas são uma armadilha.” Trecho extraído de entrevista ao El País

2) Sobre consumo e poder de escolha

“Numa sociedade sinóptica de viciados em comprar/assistir, os pobres não podem desviar os olhos; não há mais para onde olhar. Quanto maior a liberdade na tela e quanto mais sedutoras as tentações que emanam das vitrines, e mais profundo o sentido da realidade empobrecida, tanto mais irresistível se torna o desejo de experimentar, ainda que por um momento fugaz, o êxtase da escolha. Quanto mais escolha parecem ter os ricos, tanto mais a vida sem escolha parece insuportável para nós.” Trecho extraído do livro Modernidade Líquida

3) Sobre o sofrimento mediado pelo consumo

“Algum tipo de sofrimento é um efeito colateral da vida numa sociedade de consumo. Numa sociedade assim, os caminhos são muitos e dispersos, mas todos eles levam às lojas. Qualquer busca existencial, e principalmente a busca da dignidade, da autoestima e da felicidade, exige a mediação do mercado.” Trecho extraído do livro Vida Líquida.

4) Sobre redes sociais e privacidade

“Os adolescentes equipados com confessionários eletrônicos portáteis são apenas aprendizes treinando e treinados na arte de viver numa sociedade confessional – uma sociedade notória por eliminar a fronteira que antes separava o privado e o público, por transformar o ato de expor publicamente o privado numa virtude e num dever público (…)” Trecho extraído do livro Modernidade Líquida

5) Sobre globalização e uma humanidade interligada 

“Nós somos responsáveis pelo outro, estando atento a isto ou não, desejando ou não, torcendo positivamente ou indo contra, pela simples razão de que, em nosso mundo globalizado, tudo o que fazemos (ou deixamos de fazer) tem impacto na vida de todo mundo e tudo o que as pessoas fazem (ou se privam de fazer) acaba afetando nossas vidas.” Trecho extraído do livro Modernidade Líquida

6) Sobre o Brasil 

“Vocês estão no caminho certo e eu espero de todo o meu coração que vocês cheguem lá. Eu apenas direi que os representantes de 66 governos do mundo vieram para o Rio de Janeiro para se consultarem, para aprenderem sobre a experiência de retirar 22 milhões de pessoas da pobreza. Ninguém mais repetiu esse milagre, só o Brasil. Desejo que continuem isso, mas também agora algumas deficiências estão vindo à tona”. Trecho extraído de entrevista ao jornalista Alberto Dines, em 2015.

7) Sobre a pós-modernidade globalizada

“Na hierarquia herdada dos valores reconhecidos, a ‘síndrome consumista’ destronou a duração, promoveu a transitoriedade e colocou o valor da novidade acima do valor da permanência.” Trecho extraído do livro Vida Líquida.

8) Sobre relacionamentos em um mundo individualista

"Em nosso mundo de furiosa individualização, os relacionamentos são bençãos ambíguas. Oscilam entre o sonho e o pesadelo, e não há como determinar quando um se transforma no outro. Na maior parte do tempo, esses dois avatares coabitam - embora em diferentes níveis de consciência. No líquido cenário da vida moderna, os relacionamentos talvez sejam os representantes mais comuns, agudos, perturbadores e profundamente sentidos da ambivalência." Trecho extraído do livro Amor Líquido

9) Sobre relacionamento e riscos 

"Não se deixe apanhar. Evite abraços muito apertados. Lembre-se de que, quanto mais profundas e densas suas ligações, maiores os seus riscos. (...) E lembre-se, claro, de que apostar todas as suas fichas em um só número é a máxima insensatez!" Trecho extraído do livro Amor Líquido


LEIA TAMBÉM: 

ZYGMUNT BAUMAN: BABEL ENTRE A INCERTEZA E A ESPERANÇA por Leonardo Cazes (08/08/2016)


NÓS, OS FABRICANTES DE SOLIDÃO publicado em sociedade por Mariana Ribeiro